Como as empresas estão se preparando para o trabalho híbrido?

Todas as Publicações

1 Estrela2 Estrela3 Estrela4 Estrela5 Estrela (2 Avaliações, Média: 5,00 de 5)
Loading...

Não é de hoje que o mundo do trabalho passa por grandes transformações. A Revolução Industrial, por exemplo, alterou os modelos de produção, deslocando trabalhadores rurais para as fábricas, a partir de 1800. Já a Segunda Guerra Mundial lançou as mulheres ao mercado de trabalho para substituir seus pais, irmãos e maridos, que estavam no front de batalha. A partir de 1990, a revolução da internet e dos computadores trouxe novas perspectivas para a comunicação e uma agilidade incomparável na realização de tarefas.

De lá para cá, a tecnologia se desenvolveu em velocidade exponencial, possibilitando que algumas empresas mais visionárias começassem a emular o conceito do home office – embora a grande maioria desconfiasse da ideia, por medo de que a relação de comando e controle desse lugar a mais autonomia para os colaboradores.

Mas, em 2020, uma nova revolução – esta, causada pela pandemia de covid-19 – mexeu novamente com o mundo do trabalho e obrigou as empresas, mesmo que a contragosto, a adotarem o home office.  E como a maioria ainda não havia se preparado para tal, vimos o mundo inteiro deslocando-se para a casa de maneira amadora, apressada e com pouquíssimo tempo de planejamento.

A validação do home office

Uma vez que, aos poucos, as companhias foram se dando conta de que a pandemia demoraria mais do que qualquer previsão inicial para ser debelada, as lideranças trouxeram para a mesa os profissionais de RH e Facilities. Juntos, começaram a desenhar um cenário de trabalho prolongado em casa, e o que seria necessário para que ele transcorresse de modo que a produtividade das pessoas não caísse e nem a saúde delas fosse afetada.

De fato, a queda não aconteceu – ao contrário. Segundo o relatório global da consultoria McKinsey, para 51% dos trabalhadores pesquisados, o home office trouxe mais produtividade e concentração. Apenas 11% acreditam que ela caiu no mesmo período.

Ao mesmo tempo, o índice de esgotamento mental, burn out e problemas posturais só cresceu. Uma pesquisa divulgada no site O Globo, realizada com 1.180 executivos em cargos de média e alta gerência da Avenida Faria Lima (principal centro financeiro da cidade de São Paulo), mostra um aumento de impressionantes 330% nos gastos médicos de maio de 2020 a junho deste ano.

Ficou evidente a necessidade de cuidar da saúde emocional e física das pessoas, criando boas condições de trabalho, com soluções como o nosso Work.In para home office, que garante o mobiliário adequado e ergonômico para os trabalhadores e apoio psicológico para minimizar os efeitos do isolamento.

Agora, em 2021, a vacinação tem avançado em proporção semelhante à queda de casos da doença (embora a variante delta seja preocupante), de modo que, mais de um ano depois, a perspectiva de um pouco mais de controle da pandemia começa a ser vislumbrada. E depois de 18 meses em casa, o que será, de fato, esse retorno?

Essa é a pergunta que muitos profissionais andam fazendo. E se a resposta ainda é incerta, já que as mudanças seguem acontecendo, o conceito de trabalho híbrido vem ganhando força como resultado dessa nova revolução. Algo que, ao que parece, veio para ficar.

Mas o que é trabalho híbrido?

Basicamente, como podemos ver no artigo publicado em nosso blog, é um trabalho que pode ser realizado de maneira mais flexível entre o home office e o escritório. Ou mesmo em lugares como salas de coworking, um café e alguns dias na sede da companhia. Nesse contexto, as premissas de bem-estar e ergonomia continuam a ser fundamentais dentro e fora de casa para um retorno saudável, como também para que a confiança no trabalho presencial comece a ser retomada. A dica, aqui, é redesenhar os espaços de trabalho e reforçar as condições sanitárias dos escritórios, como o uso dos nossos separadores de acrílico, biombos e painéis.

Mas engana-se quem imagina que o trabalho híbrido é uma etapa de transição entre o remoto e o presencial. Uma pesquisa realizada em julho pela consultoria global Accenture (NYSE: ANC) revelou que 83% dos entrevistados, trabalhadores de 11 países, preferem um modelo híbrido ao trabalho totalmente remoto ou totalmente presencial.

Benefícios do trabalho híbrido

Agora, se o home office deu tão certo para a maioria das empresas, por que pensar em um retorno? Conforme o artigo que publicamos recentemente, se é fato que houve ganhos com a reclusão de trabalhadores, é também verdade que alguns efeitos colaterais complexos puderam ser observados e devem ser tratados o quanto antes, como a desconexão entre as pessoas, impossibilitando a troca de ideias, a falta de sensação de pertencimento e uma menor valorização da cultura corporativa.

Sendo assim, a volta ao escritório se tornou estratégica, assim como sua função na vida das pessoas.

A separação de finalidades de cada local começa a ser desenhada: em casa, são realizados trabalhos que exigem alta concentração. No escritório, decisões top down, reuniões estratégicas, troca de ideias e a volta das “conversas no café”, que não raro trazem insights e conectam as pessoas de forma espontânea.

Na prática, haverá rodízio entre os trabalhadores, que se deslocarão de um a três dias para o ambiente presencial e o conceito de mesa fixa será substituído por bancadas de trabalho, que devem ser reservadas para o uso. Em outras palavras, o trabalho híbrido parece ser a junção do melhor dos dois mundos, potencializando a qualidade do trabalho e a satisfação das pessoas, trazendo mais autonomia, mas também senso de pertencimento às pessoas.

E as startups?

Assim como companhias de todos os portes e mercados, essas empresas também lidam com dilemas sobre o futuro do trabalho. Mais habituadas ao trabalho remoto, elas também sentiram a perda de conexão entre as pessoas e com a cultura da empresa, elos fundamentais para o sucesso desse tipo de negócio. Assim, para 70% delas, segundo matéria publicada no site de conteúdo Polenize, o trabalho híbrido dá contornos de ser a opção ideal. Mas sempre valorizando a qualidade de vida das pessoas.

Segundo a mesma reportagem, desde janeiro deste ano, a startup Inberta já adota o modelo híbrido. E uma das primeiras medidas para a adoção do novo modelo foi checar as condições ergonômicas dos locais de trabalho. “A empresa também está tomando medidas com relação ao suporte para quem vai trabalhar de casa, enviando um técnico para checar se as mesas, cadeiras e equipamentos de iluminação, por exemplo, estão adequados para o trabalho remoto.

Nós podemos te ajudar com um retorno seguro

O potencial benefício do trabalho híbrido parece, no momento, responder aos anseios tanto de colaboradores quanto dos empresários. Mas, para isso, é claro, a confiança de que a empresa está oferecendo condições adequadas de trabalho é determinante para o sucesso dessa empreitada. E nisso nós podemos ajudar. Nossa solução Work.in e nossa assinatura de móveis para escritórios atende a essa demanda e torna o local de trabalho, seja ele qual for, saudável em termos ergonômicos e de distanciamento. E é totalmente personalizável, adequando-se às necessidades do momento. Por isso, acesse nosso site e veja tudo o que podemos oferecer.

Last modified: 23 de setembro de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − onze =