John Richard na 8ª Expo FM: Espaço do Conhecimento e foco em integração.

Todas as Publicações

1 Estrela2 Estrela3 Estrela4 Estrela5 Estrela (Sem Avaliações)
Loading...

A proximidade da John Richard com o mercado de Facility Management é de longa data. Como a empresa é uma solução de mobiliário para escritórios, desde a fundação, os profissionais de infraestrutura enxergam muito valor no negócio. Visando estreitar essa parceria, por mais um ano, a John Richard participou da Expo FM. Realizado pela INFRA editora & eventos, o encontro somou a 8ª Expo Facility Management e o 16° Congresso INFRA. Foram mais de 1.600 profissionais reunidos no Centro de Convenções Frei Caneca, nos dias 24 e 25 de julho.

A seguir, você pode conferir um overview do que aconteceu no Espaço do Conhecimento, ambiente com curadoria da John Richard e da FS EDUCA. 

1° dia de 8ª Expo FM.

Enquanto a abertura do Espaço do Conhecimento contava com novidades da FS EDUCA, no palco do Congresso, John Paz, fundador da John Richard, era homenageado por sua atuação e contribuição para o segmento. Na sequência, foram realizadas as palestras e painéis:

 

  • Vanessa Zietlow, da 99, e Sabrina Espinós, do Mercado Livre, compartilharam suas experiências profissionais discutindo o tema ‘Como se diferenciar em um mercado diferenciado’. Apresentando iniciativas de inclusão, diversidade e sustentabilidade, as duas FMs ressaltaram a importância de focar em Employee Experience. Atuantes em empresas com times majoritariamente das gerações Y e Z, Vanessa e Sabrina estavam afinadas sobre a relevância de gerenciar o workplace para atender às demandas das pessoas, além de priorizar a construção de relacionamentos respeitosos entre colaboradores e também com a sociedade.

 

  • Na sequência, fornecedores de serviços conversaram sobre como contribuem com o mercado de FM. Renata Dutra, da Vivante, Anna Carolina, da Consuma, e Gerson Guimarães, da IMC Saste, abordaram o quão importante é ter clareza no escopo dos projetos para que fornecedores e tomadores se apoiem mutuamente. Junto com Paôla Carmen, da John Richard, o trio concordou plenamente que o objetivo do FM é encantar o cliente, que são os colaboradores. Logo, ter suporte de especialistas é muito valioso para que as experiências sejam satisfatórias para todos.

 

  • Ainda na manhã do 1° dia, um painel reuniu algumas das principais associações do mercado de Facility Management. Carlindo Macedo e Celso Toshio, da CoreNet, Thiago Santana, da ABRAFAC, Márcia Ferrari, da RICS, trouxeram o olhar que busca coalizões como uma força para ir além de encontros, networking e conhecimento. Como cada associação tem o objetivo comum de “juntar pessoas com o mesmo objetivo”, os quatro associados também conversaram bastante sobre o valor do segmento como uma unidade institucional.

 

  • Das associações para os grupos, o conteúdo da 1ª manhã foi encerrado com Patricia Longhi, dos Grupas, e Moacir Reis, do GAS. Os dois levaram ao palco do Espaço de Conhecimento dicas de como os FMs podem promover visibilidade nas empresas. Além dos SLAs e KPIs para gestão de performance, a dupla incluiu atenção às novidades e inovação como ações úteis para quem busca evoluir na área. Mediadora do painel, Paôla Carmen pontuou que “hoje, a moeda mais valiosa é o tempo”. Na mesma trilha lógica, Moacir disse que “a grande sacada é a tecnologia a serviço de Facilities. Ainda há muito a ser explorado”. Concluindo o painel, Patrícia incluiu que “o ser humano vai ter que reaprender muita coisa. Para isso, é preciso não se impressionar com a tecnologia, mas sim enxergar o que é possível fazer com ela. Além disso, olhar o indivíduo e treinar as pessoas”.

 

  • Em um momento descontraído e empolgante, Paôla Borges, da John Richard, entrevistou Isabelle Nahas, do Volt Coworking. A conversa foi centrada no case de mobilidade corporativa das duas empresas, que são parcerias em projetos de coworking e built to go. Com falas impactantes e um ritmo acelerado de quem vive a nova economia diariamente, Belle – come é conhecida – cativou o público demonstrando a importância de “aproveitar oportunidades”. Detalhando sua experiência com a solução de mobiliário flexível da John Richard, a jovem CEO contou como foi tranquilizador precisar de centenas de posições de trabalho para um prazo curtíssimo e ter a agilidade e excelência da especialista para atendê-la. Atuante em um mercado que “tem que ser mágica para o cliente”, como ela mesma definiu, Nahas falou sobre a necessidade de melhor a qualidade dos serviços de Facility, frisando o valor do fazer. 

 

  • O avanço tecnologia voltou ao palco com os fornecedores Rodrigo Borges, da Luche, e Adriano Silvestre, da Optimus. Mesmo atuando em vertentes tecnológicas diferentes, os dois concordaram que o conceito central para a aplicação de tecnologia em Facility Management é “olhar a tecnologia buscando enxergar como ela pode facilitar a vida das pessoas”. 

 

  • Fechando o 1° dia de Espaço do Conhecimento, o tema discutido foi “Como transformar ações de Facilities em oportunidades de negócios?”. Rosangelas Manteigas, do Grupo Mulheres de Facilities, e Franco Morais, do Grupo de Facilities do Centro-Oeste. Os dois profissionais trouxeram a importância de um olhar empreendedor para os FMs. Não necessariamente com o foco em abrir uma empresa, mas uma visão ampla sobre o que está sendo feito e o que pode ser evoluído. Seja atuando como intraempreendedor ou fomentando iniciativas paralelas ao mercado, como são os grupos.
2° dia de 8ª Expo FM.

 

  • O dia 25/07 começou Rodolfo Rocha, da Conforlab Engenharia Ambiental, e Hamilton Quirino, da Sodexo. Abordando questões críticas para o mercado de FM – qualidade do ar e alimentação -, eles falaram sobre a evolução do mercado e as transformações dos últimos anos. Satisfazer o colaborador é código de honra, por isso, ambos concordam que prestadores de serviço têm que entregar cada vez mais qualidade, atendendo demandas práticas, mas também aplicando sensibilidade para contribuir com experiências de valor. “O prestador de serviço é aliado do tomador” é uma frase que sintetiza o cerne do que foi este encontro.

 

  • Inclusão e diversidade foram destaques do 2° dia, sendo que o primeiro painel centrado nestes assuntos reuniu Nathalia Blagevitch, do Caminho Acessível, João Barguil, do Guia de Rodas, Edson Defendi, da Fundação Dorina Nowill para Cegos, e Henrique Soares, da Hand Talk. Com a medição de Fátima Sousa, os profissionais apresentaram a perspectiva de empregabilidade e os desafios do mercado de FM para incluir PCDs no segmento. Para todos, o próprio encontro já foi um movimento essencial, pois fomentar o diálogo dos processos de inclusão é uma etapa fundamental no respeito à diversidade. 

 

  • Em seguida, Paôla Carmen entrevistou Diego Farias, da Herbalife, sobre o uso de mobiliário flexível na empresa e como esse processo abriu as portas para outras mudanças apoiadas na mentalidade de uso. Quebrando preconceitos e rompendo prática como o uso de estoque próprio de móveis, Diego contou que a partir do mindset do mobiliário como serviço, a cultura da empresa vem sendo transformada.

 

  • Voltando ao tema diversidade, um dos painéis com maior público foi focado em recolocação com valor social. A Dra. Elizabete Scheibmayr, do Mulheres do Brasil, mediou a conversa entre Maitê Schneider, da TransEmpregos, Leonardo Precioso, da ONG Gerando Falcões, e Renan Batistela, da VAGAS.com. O grupo trouxe a reflexão sobre a necessidade de pensar em gente como a nova revolução dos negócios. Discutindo sobre diversidade humana e vieses inconscientes, todos pontuaram que a iniciativa de levar a discussão sobre inclusão para um evento de FM foi uma tomada de decisão muito positiva para a transformação e o avanço do setor. 

 

  • Ampliando o olhar da diversidade para um nicho ainda pouco visto neste contexto, o painel seguinte foi sobre como se reinventar após os 50 anos. Angélica Primi, da IT’S Informov, Barbara Elsbach, Tradutora e Voluntária do Mulheres do Brasil, e Fabio Ota, da ISGAME contaram para Fátima Sousa e para os visitantes do Espaço do Conhecimento suas experiências como profissionais ativos na melhor idade. Em sintonia com o painel prévio, no qual Fátima explicou sobre a Silver Economy, (Economia Prata – potencial produtivo e de consumo dos idosos), o talk fechou os conteúdos do palco do Espaço do Conhecimento com uma mensagem motivacional de constante transformação e reinvenção, selando dois dias de muitos aprendizados e experiências compartilhadas.

 

Trazendo beleza para um evento tão rico em informações, a apresentação artística da Companhia Ballet de Cegos, da Associação Fernanda Bianchini, encantou os visitantes com a delicadeza dos movimentos das bailarinas. A dupla preencheu o estande de sensibilidade e propiciou um momento perfeito para concluir o Espaço do Conhecimento na 8ª Expo FM.

______________________________________________________________________________________________

A John Richard e a FS EDUCA agradecem a todos os profissionais que colaboram com o Espaço do Conhecimento na 8ª Expo FM, aos palestrantes que cederam tempo e conhecimento e, em especial, ao público que participou ativamente, contribuindo com o sucesso do encontro. 

 

Last modified: 1 de agosto de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 7 =