O grande mundo das pequenas e médias empresas

Todas as Publicações

1 Estrela2 Estrela3 Estrela4 Estrela5 Estrela (9 Avaliações, Média: 3,22 de 5)
Loading...

As perspectivas para 2021 indicam que não serão poucos os desafios que vêm pela frente no mundo corporativo que, em muitos casos, segue se adaptando e respondendo aos novos desenvolvimentos do cenário atual. E isso é especialmente verdadeiro para as pequenas e médias empresas.

Para elas, sem dúvidas, o impacto de 2020 foi enorme. A economia e o mercado passaram por mudanças profundas e, para sobreviver à crise, as pequenas e médias empresas tiveram que estabelecer prioridades, adaptar a vida no escritório – e os negócios – ao ambiente digital e redirecionar investimentos para atender às necessidades impostas pela pandemia. E o mesmo vai valer para este ano.

1. Foco nos negócios, sem perder a cautela

Muitas das pequenas e médias empresas terminaram o ano com indicadores que permitem o enfrentamento de 2021 com alguma segurança mas, ainda assim, com bastante cautela. Segundo estudo recente realizado em parceria com o InfoMoney, 76,7% dos negócios respondentes afirmam estar em dia com as despesas e 89,6% das empresas entrevistadas acreditam haver a possibilidade de ter desempenho positivo em 2021.

É imprescindível dizer que além de recuperar os negócios, as empresas devem criar oportunidades de geração de valor de forma sustentável, em médio e longo prazos, para superar os desafios que este ano pode trazer.

2. Colocando aprendizados em prática

Os aprendizados de 2020 também não foram poucos. Não é novidade que, com o desdobramento da crise, as empresas tiveram – e ainda têm – que se reinventar para acompanhar os cenários do momento e, ao mesmo tempo, os novos hábitos dos consumidores. Nesse contexto, a transformação digital vem ganhando ainda mais força.

De acordo com pesquisa realizada pela consultoria Deloitte, 67% das pequenas e médias empresas aumentaram suas vendas on-line em decorrência da pandemia. E essa realidade levou à necessidade de ampliar os investimentos em tecnologia, para suportar à nova demanda de mercado e garantir a segurança no digital.

Quem teve um olhar empreendedor agarrou a oportunidade e criou soluções imediatas que, com certeza, servirão de base para novas práticas daqui para a frente. E um dos exemplos disso são as novas formas de trabalhar.

3. Reorganização dos ambientes de trabalho

Ainda de acordo com a pesquisa da Deloitte, a adaptação das equipes ao trabalho remoto foi e continua sendo prioridade para muitas das pequenas e médias empresas. Independentemente da perspectiva futura de vacinação da população, para muitas delas o home office veio para ficar, mesmo quando combinado com eventual trabalho presencial, como abordamos em outros artigos em nosso blog (se ainda não leu, aproveite para conferir!).

Sobre o retorno seguro ao escritório – algo que ainda deve demorar – ou a manutenção dos colaboradores trabalhando de casa, surgem dúvidas como: adaptação dos espaços físicos para receber as equipes, de que modo garantir a produtividade dos funcionários atuando remotamente, o redirecionamento de recursos, entre outros aspectos.

E nisso a gente pode ajudar.

4. Em momentos de incerteza, as vantagens de ser flexível

A tendência aponta que, no futuro, é provável que as empresas venham a manter parte de seus funcionários transitando entre o trabalho remoto e o presencial – o chamado modelo híbrido.

No trabalho presencial, a adaptação aos protocolos de segurança sanitária será regra por muito tempo. E ao readequar os ambientes corporativos, será preciso levar uma série de pontos em consideração e reavaliar os investimentos em mobiliário é um deles. Mas diante das incertezas sobre os modelos de trabalho, fica a pergunta: dedicar investimentos para a compra de mobiliário vai fazer sentido?

O modelo de locação de móveis corporativos já se apresenta como uma solução muito mais simples e vantajosa do que a compra de móveis. Primeiro, porque permite reconfigurar espaços de acordo com as novas necessidades. Além disso, o investimento mensal é baixo e, com isso, sua empresa não precisa se preocupar com o desgaste natural ou reposição das peças – isso fica por nossa conta.

5. Ergonomia e bem-estar também no trabalho remoto

Um dos aprendizados do ano passado é que o home office mostrou que é possível ser produtivo trabalhando em casa. Tanto que muitas empresas passaram a oferecer o modelo como benefício, inclusive com a nossa solução Work.In, tornando este um diferencial para ser mantido e fonte de atração de talentos.

Nesse aspecto, a liderança tem o papel de garantir a estrutura necessária para a saúde física dos colaboradores, como móveis e acessórios ergonômicos. Aqui também a locação de mobiliário se apresenta como alternativa para alocação inteligente dos recursos. Uma vez que é possível combinar móveis e demais itens de acordo com a necessidade de cada colaborador, em curto, médio e longo prazos. E o melhor: com a nossa solução Work.In, nós cuidamos de tudo para você. Desde a entrega e retirada dos móveis até a manutenção, quando necessária.

Acesse nossa página de Solução de Home Office e saiba tudo sobre como implementar esse benefício para seus colaboradores.

6. Conclusão

O ano de 2021 sinaliza uma nova fase de desafios que exigirá muitas transformações nas pequenas e médias empresas e acentuará, cada vez mais, a aceleração digital. Sairão na frente os negócios que adotarem um planejamento inteligente dos recursos e aqueles que já entenderam a necessidade de acolher e preparar seus talentos para essa nova fase.

Seja com o Work.In para Home Office ou móveis adequados para respeitar o distanciamento social em modelo híbrido a ser adotado no futuro, pode contar com a gente para transformar esse cenário em realidade. Entre em contato clicando aqui. Será um prazer contribuir com a estratégia da sua empresa nessa jornada.

Last modified: 24 de maio de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − seis =